• Economia 12/04/19 | 08:38:29
  • Em 14 Estados, aposentados recebem mais do que servidores da ativa
  • Estudo realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Diário Catarinense
  • Foto: Pedro França/Agência Senado

Estudo realizado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) conclui que em 14 Estados brasileiros os aposentados recebem mais do que a média dos salários dos servidores da ativa. Em quatro, há mais aposentados do que servidores trabalhando.

O estudo foi feito com base em dados da Secretaria de Previdência relativos a 2017, quando o déficit previdenciário dos Estados somou R$ 77,8 bilhões, segundo a Firjan. Apenas quatro Estados - Amapá, Roraima, Rondônia e Tocantins - não enfrentam dificuldades para pagar aposentadorias.

No outro extremo, o Rio Grande do Sul tem 163 aposentados para cada 100 servidores. Minas Gerais têm 129, o Rio 114 e Santa Catarina, 106. No Espírito Santo e em Goiás, o número de aposentados e servidores da ativa é praticamente o mesmo. Em outros oito, já são mais de 80 aposentados para cada 100 servidores.

Na média, segundo o estudo, as previdências estaduais pagam aposentadorias de R$ 4.800 por mês, quase o dobro do rendimento médio do brasileiro, que fica em R$ 2.500 por mês. Em 14 Estados, o valor recebido pelos aposentados é maior do que a média dos servidores.

Entre eles, três já têm mais aposentados do que servidores ativos: Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. A maior disparidade, porém, é verificada no Amapá, onde a aposentadoria média e de R$ 7,5 mil e o salário médio dos servidores, de R$ 4,6 mil.

Para a Firjan, a diferença de rendimentos indica a necessidade de ampliar a contribuição dos aposentados - a reforma do governo Bolsonaro prevê alíquota mínima de 14%.

O estudo calcula ainda o quanto custa o déficit por habitantes nos Estados. No Rio Grande do Sul, por exemplo, são R$ 1.038. No Distrito Federal, que tem a maior aposentadoria média do país (R$ 8,8 mil), são R$ 887.

comentários