• Estado 06/12/18 | 08:29:42
  • 8,5% dos catarinenses vivem abaixo da linha da pobreza, aponta IBGE
  • Porém, os percentuais de pobreza diminuíram no estado
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Diário Catarinense
  • Foto: Imagem ilustrativa/Google

Aumentou a pobreza no Brasil entre 2016 e 2017. É o que aponta a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE. Segundo a linha de pobreza proposta pelo Banco Mundial (rendimento de até US$ 5,5 por dia, ou R$ 406 por mês), a proporção de pessoas pobres no Brasil era de 25,7% da população em 2016 e subiu para 26,5%, em 2017.

Porém em Santa Catarina os percentuais de pobreza diminuíram. O Estado tem a menor proporção da população vivendo abaixo da linha de pobreza. São 8,5% dos catarinenses que vivem com menos de R$ 406 mensais. Bem abaixo do segundo colocado, Rio Grande do Sul, com 13,5%. Além disso, em 2016, eram 9,6% nesta situação em SC.

Já em relação à extrema pobreza (segundo Banco Mundial aqueles que vivem com renda inferior a US$ 1,90 por dia, ou R$ 140 por mês) , o percentual é de 1,7% dos catarinenses, também a menor taxa do país, cuja proporção é de 7,4%. Em 2016, essa taxa era de 2% em SC.

Santa Catarina também se destaca com a menor desigualdade de renda entre os Estados, medida pelo Índice de Gini, que quanto mais perto de 1,0, maior a desigualdade. Em SC, esse indicador em 2017 era de 0,421, o que representa uma diminuição frente a 2016 (0,429).

No país o Índice de Gini em 2017 era de 0,549, já em 2016 era de 0,546.

A renda média de 2017 em Santa Catarina ficou em R$ 1.805, bem abaixo dos R$ 3.087 do Distrito Federal, a mais alta do país. Em 2017, o rendimento médio mensal domiciliar per capita no país foi de R$ 1.511. As menores médias foram no Nordeste (R$ 984) e Norte (R$ 1.011), regiões onde quase metade da população (respectivamente, 49,9% e 48,1%) tinha rendimento médio mensal domiciliar per capita de até meio salário mínimo.

comentários