• Geral 02/08/18 | 14:47:22
  • Coordenador-Geral do GAECO fala sobre Operação Emergência
  • Investigação iniciou após uma denúncia recebida na Comarca de Tangará
diminuir o tamanho do texto aumentar o tamanho do texto
  • Fonte/Autor: Informações e entrevista da Coordenadoria de Comunicação do MPSC
  • Foto: Imagem ilustrativa/Google

Foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (02) a Operação Emergência, ação do GAECO que desmantelou uma organização criminosa que fraudava a lista de espera por procedimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) no Meio Oeste catarinense.

Estão em cumprimento 09 mandados de prisão temporária e 39 de busca e apreensão em 12 municípios catarinenses: Ibiam, Videira, Caçador, Lebon Régis, Timbó Grande, Ibicaré, Rio das Antas, Calmon, Santa Cecília, Faxinal dos Guedes, Ponte Serrada e Balneário Camboriú.

Os mandados de prisão temporária são cumpridos contra agentes públicos e profissionais da saúde. Já os mandados de busca e apreensão miram residências, empresas, consultórios médicos, órgãos públicos e estabelecimentos hospitalares. Os mandados foram expedidos pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina atendendo a pedido da Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos do MPSC.

Em entrevista, o Coordenador-Geral do GAECO, Promotor Justiça Alexandre Reynaldo de Oliveira Graziotin, fala sobre a operação, destaca que a investigação iniciou após denúncia chegar na comarca de Tangará.

Graziotin ainda explica como funcionava o esquema.

 

Hospital Maicé emitiu nota sobre operação

 

comentários